las vegas… enfim.

Imaginem um vale imenso de areia marrom desértica de verdade, rodeada de montanhas, algumas até com neve no topo que nem cartão postal! Agora coloquem ruas largas – de verdade, tudo é longe de tudo, estacionamentos gigantes, estilo cidade planejada mesmo eu acho -, coqueiros (!),  shoppings gigantescos, carros chiques – quase nenhum é cacareco – outlets, um Mc Donald`s em cada esquina, muitos postos de gasolina, chineses e/ou japoneses (?) em tudo quanto é canto, Elvis Presley`s também, construções colossais (acho que nunca usei essa palavra antes!) que são, ao mesmo tempo, shoppings, teatros, hoteis, spas, tudo num tema especial – tipo, Veneza, Paris, Roma, Nova Iorque e etc.., blá, blá, blá e que até são cassinos também! This is Vegas! Pôr-do-sol laranja estranho – que agora eu acho lindo demais, nada comparado a ele se pondo no mar, mas… -, frio pra dedéu na sombra e tranquilinho no sol, veeeeeeeeeento – bota vento nisso -, secuuuuuuuuuuura da boca ficar  cheia de casquinha e as extremidades dos dedos virarem machucados! Gente do mundo inteirinho! Parece WonderLand… tanto que, às vezes, dá um nervoso pensar que o mundo real nada disso o é. As ambulâncias, quando em ação, andam na contra-mão! Trânsito bizarrinho que para atravessar a rua mais famosa – Las Vegas Boulevard ou The Strip, a mesma dos cassinos aí de cima, mais ou menos uns 2 km de extensão, demora-se quase que 2 horas! Sorte que isso se da num ônibus London Style de 2 andares, que não me canso em sentar no de lá de cima e bem na vidraçona pra ficar de cara com os cassinos e luzes, quer dizer, depois de quase 3 semanas tenho que confessar que tô cansando, já prefiro ficar lá atrás lendo ou escrevendo alguma coisa! Interessante também que cada ponto que se para diz-se o nome dos cassinos e etc. que ficam naquele quarteirão – já decorei tudo! – e, às vezes, os motoristas deixam o microfone ligado e ficam fazendo piadinhas, engraçadas até, pra passar o tempo.. eu, muitas das vezes, fico tentando descobrir que língua estão falando no banco de trás. E luz, muita luz, bota luz nisso! Nosso apartamentozinho – http://www.manorsuites.com – fica na parte sul da Las Vegas Boulevard. Lindo, todo de madeira, cable TV – programas de auditório daqui sucks, incrível! Da até desgosto de ver… vale pelos filmes da HBO! E os campeonatos de poker na ESPN que vamos dormir assistindo todos os dias! Microondas – aqui até arroz se faz nele! – um quarto com um camão e sofázao na sala/cozinha que fazemos rodízio todos os dias entre nós 3 quem vai dormir onde! Aquecedor que faz com que a hora de chegar a casa seja quase a melhor do dia… e a fofocaiada e ouvir o português, pelo menos um pouquinho durante o dia, também ajudam! Nessa última semana conhecemos brasileiros – finalmente! Já tava achando estranho não ter nenhum por aqui… – e nos demos conta que estamos pagando muito, muito caro.. hoje – day-off juntas – vamos atrás de algo mais em conta e veremos no que dá… temos duas semanas – que completa o primeiro mês – pra mudar! Avi e Sare (cada dia pronuncio o nome deles de uma maneira!) são nossos chefes, casados, isralenses, judeus e que quando não querem que entendamos o que eles estão conversando desandam a falar em hebraico, é mole?? Fico horrorizada com o quanto que a Sare parece com mamãe, chega a dar nervoso de olhar! Super gente finas, estão agitando nosso lado em muitas coisas… Somos 3 de uma equipe de 9 empregados – agora 8, uma das americanas foi despedida semana passada -, trabalhamos na Bico – http://www.bicolasvegas.com – que são 2 lojas tipo quiosques, um no Excalibur – http://www.excalibur.com – e outro no Fashion Show Mall – o shopping mais chique daqui! Ambos na tal Strip… Vendemos joias feitas de pewter – que significa estanho em portugues! A cara da prata… – e, o pior, o que vendemos não podemos usar os próprios, ou seja, nada dos meus aneis! Fiquei doidinha já com isso.. mas até já acostumei – minha unha já  tá o terror das criancinhas, em compensação os cabelos nessa secura ficam uma maravilha de ver e passar a mão! – porém, podemos escolher dentre as coisas da loja um cordão e pingente pra usar… o meu tem a forma do OHM!! Escolho o mesmo todos os dias. Só sabemos em qual das Bico vamos trabalhar quando sai o schedule da semana, a do Excalibur é melhor por causa do carpete! Dói menos a perna – temos que ficar em pé todo o tempo, by the way… a gente chega à casa com as pernas latejando! Estico assim e é uma maravilha… – acho que tô pagando pelo tempo todo que fiquei sentada no ano passado na cadeira de rodinhas do Tozzini… só pode! -, e o clima e as músicas do cassino… todo mundo feliz! Ou, ao menos, parecendo… Temos um textinho decorado pra falar pros potenciais compradores – “Hey, Mam, Sir, Lady.. Are you familiar with this company? This is an australian company and everything you see here has a different meaning, they`re all symbols based on australian believes, miths and stuff!” Heheheheh.. decorado sério, trabalhar de ressaca sai que nem que eu fosse um robôzinho… A parte nebulosa da cidade, da máfia, dos pecados capitais, da prostituição e tudo o mais e não tive contato e nem pretendo ter! Já ouvi falar muito, tanto ai, quanto aqui e parece que eh em downtown… bem longe daonde moro e trabalho.. Os cidadãos de Vegas mesmo vivem afastados da agitação da Strip e só me dei conta disso num dia que voltei pra casa de carona, por outro caminho, mais alto, e vi um mar de pequenas luzes assim… penso que deve ser ali que devem viver… e haja mexicano por aqui: muitos mesmo. Na Strip até tentam divulgar essa imagem de Vegas = Sin city, distribuindo papelzinho com mulheres peladas pros turistas e passando carrosdoor com outras, mas, ao meu ver, é tão artificial e forçado quanto as gramas verdinhas que tem na frente de cada cassino. Mas é tanta gente, de tanto lugar do mundo, tanta história de vida diferente e igual que muitas das vezes dá vontade de passar do limite vendedora/consumidor e sentar numa cadeira, pedir um chopp e falar, falar, falar… ouvir, ouvir, ouvir… sabe como? E, pra mim, esse é um dos pontos mais altos dessa tal de Work Experience… Mesmo morando na mesma boulevard, temos que pegar 2 ônibus pra chegar aos jobs – 117 e o The Deuce – o double deck!, troca na South Strip Terminal Transfer – leia-se estação! – onde eu vi neve da primeira vez da vida! Alguns floquinhos bem pequeninos! Caiam do céu assim, estranho e emocionante! Ficava rindo a toa… – U$ 40 o Bus Pass mensal! Taí algo que o Brasil podia copiar, muito em conta! um cartãozinho assim que você só passa e pronto… ruim que os trocadores iam perder os empregos… Passei o natal trabalhando até meia noite e meia, vendi meus primeiros U$ 1.000! Fiquei toooooda orgulhosa de mim! Heheheh.. ganhei de presente um Mc Flurry de Oreo de Ana de Natal, depois fomos as 3 direto pra RumJungle – boate do Mandaley Bay que só valeu mesmo pelo lugar – cachoeiras de verdade, dançarinas na luz negra em gaiolas (!) lá no teto da boate!, prateleiras de uns 10 metros com bebidas do mundo inteiro, o maior visual…! Ruim: músicas em japonês – 1 CD apenas, fato! – pessoas mais velhas e dançando daqueeele jeito estranho típico de tudo quanto é gringo! Ahhh, o molejo brasileiro… Dia 25 em si abri um berreiro gigante – o maior de todos até agora! – ao ouvir as vozes da minha família! E foi o primeiro dia de turista de fato de nos 3 que conseguimos o day-off juntas – e viva o Hanukah! Fizemos um tour pelos cassinos, tiramos altas fotos, vimos o show de águas do Belaggio – cassino que foi assaltado no filme “11 homens e 1 segredo”, lindo, lindo… especial de natal.. tantas emoções – bem Roberto Carlos style! Ah! São tantas coisas e detalhes, diário fluiiiiiiiiindo já e o mais legal, quando juntam todas as línguas e eu fico perdidiiiiinha, poliglota mor, hehehe… fico falando tudo misturado, adoro isso! Os 2 diaszinhos em Miami valeram por 1 mês! Sabe? South Beach e seus coqueiros artificiais – nervoso disso, juro! – lojas das mais chiques – não que eu me deslumbre tanto, mas tenho que comentar.. -, carros mais ainda!, mar do caribe clarinho mesmo num dia de nem tanto sol assim, fomos num pub/restaurante/musica ao vivo estilo latino – sai do Brasil, mas não sai.. .né? – reggaezinho dançante, nego dançando com roupas de pele de leopardo, em cima do balcão Coyote Ugly Style! Melhor lula empanada da vida, batata frita apimentada – primeiro momento crítico entre mim e uma das meninas, Heheheh… – e tomando a delícia da cervejinha chamada Bud Light! Hotel tranquilinho, com café da manha típico – nos acabamos! – e Downtown, terra do consumismo mor! Incrível.. tudo tão barato.. eu aqui fico na eterna luta dentro de mim see gasto tudo logo ou junto como era o que eu queria… sabe? Vamos ver no que dá… Ainda mais aqui em Vegas que tem 5 (!) Cirque du Soleil diferentes, musicais – O Fantasma da Ópera e Mamma Mia eu vou, fato! – trilhões de shows – ate David Cooperfield! E tem também o Miss USA no final de janeiro.. Heheheh.. tudo bem que não me enche os olhos tanto assim, mas eu cresci vendo nos filmes de Hollywood que esse tipo de coisa era o maior barato, não custa nada conferir… Aliás, fomos ao show do Black Eyed Peas semana passada – tem que ver o ataque de pelancas que demos quando eles falaram que estariam no Rio dia 31.. alguém foi? – e tive certeza, que gastar um dinheiro a mais num programa desses vale muito a pena! O dia foi maravilhoso, dá um up na viagem, vontade de não dormir nunca! Terá tambem Elton John, Toni Braxton, Smash Mouth… dependendo do que aparecer, eu vou! E o Grand Canion, aqui pertinho… De Miami até aqui foi brabo, aquela tirada de tênis constrangedora pra entrar na sala de embarque do aeroporto – que todos, americanos ou o resto, como eles pensam.. – têm que fazer! Quase 4 horas de atraso do voo pra Chicago – onde faríamos conexão pra Vegas – que fez com que perdêssemos o próximo voo! Ironia do destino dos meses que defendi a GOL nesses casos! Só pode! Tivemos que dormir no saguão do aeroporto de Chicago mesmo, nem comida, nem hotel a American Airlines quis arcar! Grrrr.. dormimos numas esteiras verdes que nem exército ao som da vozinha da mulher robô falando que era proibido fumar e pra manter as bolsas perto de si.. imaginem.. Heheh.. pelo menos eh historia pra contar pros netos.. Se é! Aqui você levanta a tampa da privada a descarga ativa sozinha, pra ligar o carro basta apertar um botao.. ôôô coisa esquisita da vida.. ainda estou me acostumando! O Reveillon foi ótimo, poucos fogos e música e MUITA história pra contar… Bom, acho que é mais ou menos isso! Nunca é, mas… – tá acabando meu tempo aqui na biblioteca! Pro novo ano: amores renovados, novos e antigos amigos e experiências, rotinas supreendentes, paz de espírito e no mundo também !!!! 😉 Que o tudo seja, de fato, tudo, e o nada, tudo! Got it? Pra quem esta por essas bandas daqui de cima, venham me visitar !!! E pros que tão ai embaixo também ! Contanto que aceitem entrar no rodizio cama/sofá. Meu beijo! Aproveitem o verão, as praias, o samba, músicas brasileiras, sol! e futebol – com os pés! Por mim, please… Mais beijos, Jojo!

E-mail escrito na segunda quinzena de dezembro 2006 e enviado em 2 de janeiro de 2007.

Image

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s